Seja positivo, mas realista

<< anterior | Ação 31 | próxima >>

Como você se sente em relação ao passado, presente e futuro? Você vê o lado bom e as oportunidades? Ou foca nos problemas e coisas que podem dar errado? Quão realista você está sendo? Isso tudo é importante para o nível de satisfação e felicidade em nossas vidas.

Por que fazer isso?

Pessoas otimistas tendem a ser mais felizes, mais saudáveis e sabem lidar melhor com momentos difíceis. Então há muitas vantagens em olhar o mundo sob um ângulo positivo e focar em coisas que são boas. Entretanto, é possível se tornar um otimista irrealista, o que não é bom. Certamente não ajuda ficar tornando tudo positivo ou fingir que as coisas estão bem quando claramente não estão.

Se alguém é naturalmente otimista ou pessimista, em ambos os casos é impossível saber o que o futuro nos reserva. Então talvez o melhor dos dois mundos seja o otimista realista, alguém que se mantém positivo, mas dentro dos limites daquilo que ela conhece sobre o mundo.

Tendências otimistas ou negativas fazem parte da personalidade, e podem ser difíceis de mudar – mas é possível. Podemos nos tornar mais conscientes dos nossos padrões de pensamentos e aprender técnicas que nos ajudem a ser mais flexíveis sobre nossa visão de mundo.

Por onde começar

Aqui seguem três maneiras de “refletir sobre seus pensamentos” – você pode usá-las para mudar sua perspectiva de vida:

  1. Remodelar. Imagine que você está passando o dia fora com os amigos e o tempo não está bom – na verdade não parou de chover o dia inteiro. Presumindo que o passeio tenha sido bom de outras maneiras, você o veria como um dia perdido ou um sucesso? Na verdade, você pode vê-lo das duas maneiras, dependendo da sua decisão de compará-lo com um dia ensolarado ou com uma tempestade. Não estamos falando em mudar os fatos que aconteceram, apenas sobre como decidimos interpretá-los. Mudando simplesmente nossa “perspectiva” sobre uma situação, podemos mudar como nos sentimos em relação a ela. Se temos a tendência de ver o pior, remodelar nossa perspectiva pode ajudar a equilibrar nossos pensamentos negativos e assim tirar o melhor das situações. Então pergunte-se a si mesmo: de que outra maneira posso interpretar essa situação?

  2. Aprecie o momento. Existem muitas evidências científicas demonstrando os benefícios de estarmos mais presentes, ou seja, ser mais conscientemente capaz de notar o mundo ao redor no momento presente – o que nos cerca, o que podemos ver, sentir, cheirar e ouvir. Há também fortes indícios de que focar no que é bom ou está indo bem equilibra a tendência natural humana em olhar para o que não está bom. A quantidade de água dentro do copo é a mesma independente se o vemos metade cheio ou metade vazio. Então experimente perguntar a você mesmo: qual é a parte boa do que está acontecendo bem agora?

3. Esteja aberto a oportunidades. O modo como consideramos aquilo que estamos almejando afeta nossos níveis de ambição, nossa capacidade em aceitar desafios e como tomamos uma decisão. Ver as coisas como problemas, tarefas ou dificuldades a serem enfrentadas, pode nos deixar menos motivados a seguir em frente com nossos objetivos. Como resultado, temos menos chances de chegar aos nossos objetivos. Já ver as coisas como oportunidades em potencial (ou desafios positivos) pode ser algo que nos capacite. Isso nos leva ao que psicólogos chamam de uma “motivação de aproximação” – a sensação de que estamos seguindo em frente em vez de tentar evitar aquilo que não queremos. Também nos dá maior senso de controle, que é vital para a felicidade. Então pergunte a si mesmo: quais são as oportunidades aqui que podem ajudar a realizar meus objetivos? Qual é o desafio positivo nesta situação?

Vídeo relacionado:

Nosso ‘sistema imunológico psicológico’ permite que sejamos felizes mesmo quando as coisas não saem como planejamos

Imagem no topo: Thomas Friol, Flickr/CC

Referências
[1] Carver, C.S., Scheier, M.F., Miller, C.J., & Fulford, D. (2009). Optimism. In S.J. Lopez & C.R. Snyder (Eds.)Oxford Handbook of Positive Psychology. NY: Oxford University Press.
[2] Schneider, S. L. (2001). In search of realistic optimism: Meaning, knowledge, and warm fuzziness. American Psychologist, 56, 250-263.